Contato

(55-11) 4563-7397 / (55-11) 9.9644-7202 / (55-11) 9.9960-4866

contato@ciavagalum.com.br

Assessoria de imprensa: ArtePlural Comunicação

l(11) 3885-3671 / Fernanda Teixeira – (11) 99948-5355

OTHELITO

Escrita em 1604, “Otelo, o Mouro de Veneza” é uma das principais tragédias de William Shakespeare (1564-1616) e foi essa a tragédia que inspirou o autor Ângelo Brandini a escrever e dirigir a peça Othelito, livre adaptação do clássico do bardo.


Com o humor da Commedia Dell’arte e o olhar do palhaço, fala do tumultuado romance entre a jovem Desdêmona e o capitão mouro Othelito, que supera o preconceito do pai da moça, o senador Brabâncio, mas esbarra nas intrigas do amigo Iago. Máscaras, mímica, piruetas e cambalhotas compõem o arsenal interpretativo que a trupe usa revelar a faceta cômica dos personagens de Shakespeare.

 

Na livre inspiração de Ângelo Brandini, também diretor do espetáculo, tampouco Desdêmona é morta. O desfecho do clássico é subvertido como uma afirmação da vida. Mesmo a Iago não cabe o mero julgamento do tribunal, a punição. Tropeça feio, mas tem lá sua chance de reerguer-se. Nessa gangorra de crueldades e fraquezas, o espetáculo semeia o universo shakespeareano junto ao público infantil – o que não é pouco - e ainda enreda os pais por conta da maneira inteligente como a dramaturgia os trata.

Valmir Santos- Jornalista, autor de históricos de coletivos de Teatro como Armazém Companhia de Teatro, Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz, Parlapatões, Patifes & Paspalhões e Grupo XIX de Teatro. Integra o júri paulista do Prêmio Shell de Teatro. Mestrando na USP. Foi repórter do jornal Folha de S.Paulo (1998-2008).

Othelito é bom teatro. Assim, tendo em vista que a criança sempre é levada ao teatro pelos adultos, o espetáculo consegue, por meio de detalhes diferenciados, manter a atenção dos adultos e das crianças. Caracteriza-se golpe genial o modo como o lenço incriminador (e duvidoso) na história de Shakespeare é resolvido em Othelito.

Alexandre Matte - Doutor em História Social (FFLCH-USP). Professor de História do Teatro e da Literatura Dramática no Instituto de Artes da Unesp e da Escola Livre de Teatro de Santo André. Pesquisador de teatro e participante do Núcleo Nacional de Pesquisadores de Teatro de Rua

FICHA TÉCNICA

Texto e Direção: Ângelo Brandini 

Elenco: 


Val Pires – Othelito
Anderson Spada – Iago
Tereza Gontijo – Desdemona
Christiane Galvan – Brabancio e Cassio

Composição e Direção Musical: Fernando Escrich

Stand-in: Rodrigo Freitas, Ivy Donatto, Michelle Gallindo

Figurinos e Adereços: Christiane Galvan

Cenário: Sylvia Moreira, Pedro Becker

Iluminação: Lígia Chaim

Confecção de Cenário: Luís Rossi

Musicalização: Dagoberto Feliz

Confecção de Máscaras: Deisy Nery

Fotógrafo: Felipe Denuzzo

Produção: Marina Mioni